É altura de projetar futuro diferente para o país

 

O ministro dos Negócios Estrangeiros de Timor-Leste, Zacarias da Costa, defende que, dez anos depois da restauração da independência, é altura de projetar um futuro diferente para o país e ter os pés bem assentes no chão.

 

"É um momento não só para olharmos para trás para aquilo que foi feito de bom neste país, e de mau também, mas é tempo, sobretudo, de projetarmos um futuro diferente", disse à agência Lusa Zacarias da Costa.

 

Timor-Leste celebra domingo o 10.º aniversário da restauração da independência, dia em que o general Taur Matan Ruak toma posse como novo Presidente do país.

 

Para o chefe da diplomacia timorense, Timor-Leste conseguiu ultrapassar dificuldades nos últimos dez anos, mas os maiores desafios estão no futuro próximo.

 

"Nós temos um novo Presidente, vamos ter eleições e um novo governo [nas legislativas de 07 de julho]. Será um momento importante para caminharmos com os pés bem assentes no chão, consolidarmos as nossas instituições e sobretudo olharmos para um Timor diferente, um Timor onde todos tenham lugar, um Timor onde as mazelas, as feridas, do passado possam estar cicatrizadas e afirmarmo-nos na região e no mundo", defendeu.

 

Segundo o ministro dos Negócios Estrangeiros timorense, que é também presidente do Partido Social Democrata na coligação no poder, aqueles serão os grandes objetivos do país.

 

Questionado sobre se também é altura de uma nova geração entrar na liderança do país, o chefe da diplomacia timorense afirmou que deve ser completada o mais depressa possível.

 

"Vejo uma nova geração que já quer o seu lugar e infelizmente ainda estamos nesta transição. Por isso creio que o mais depressa possível teremos de completar essa transição e dar lugar a uma nova geração, não a minha, mas uma nova para que Timor possa de facto avançar", salientou o ministro de 48 anos.

 

Para Zacarias da Costa, há atraso na passagem de testemunho, que deve ser conduzido pela geração mais velha.

 

"Parece-me que estamos um pouco atrasados nessa passagem de testemunho e mais uma vez deixo o meu apelo para que a velha geração possa finalmente olhar para uma passagem de testemunho pacífica e, sobretudo, apostar na preparação de uma geração mais nova para conduzir os destinos deste país", disse.